Infoshot Blog – Página: 2 – Infoshot
Patente da Microsoft e repetidor Wi-Fi foram os destaques de fevereiro

O maior SSD do mundo e curiosidades sobre Wi-Fi e computadores com Windows também chamaram a atenção; relembre

1. Caneta eletrônica com scroll de mouse

O registro de uma patente pela Microsoft para melhorar o uso das canetas digitais stylus ganhou repercussão em fevereiro. Isso porque o documento indicava uma futura Surface Pen com uma espécie de clipe para simular a roda de um scroll de mouse, o que facilitaria rolar as páginas e dar zoom. Segundo os desenvolvedores, se for colocada em prática, a função poderia dispensar o uso de mouses. Entenda o caso e veja imagens do possível modelo.

Futura Surface Pen (foto) traz funções de mouse  (Foto: Divulgação/Microsoft)Futura Surface Pen (foto) traz funções de mouse  (Foto: Divulgação/Microsoft)

Futura Surface Pen (foto) traz funções de mouse (Foto: Divulgação/Microsoft)

2. Como transformar um roteador da D-Link em repetidor Wi-Fi

Quem tem um roteador parado e sem uso em casa também gostou de saber que é possível aproveitar o equipamento e transformá-lo em um repetidor de Wi-Fi. Sem precisar de um novo aparelho, a configuração ajuda a ampliar a conexão sem fio em cômodos da casa onde o sinal de Internet chega fraco ou sofre interferências. Veja aqui o passo a passo para ajustar qualquer roteador da D-Link.

Roteadores da D-Link podem ser usados como repetidores de sinal Wi-Fi (Foto: Thiago Rocha/TechTudo)Roteadores da D-Link podem ser usados como repetidores de sinal Wi-Fi (Foto: Thiago Rocha/TechTudo)

Roteadores da D-Link podem ser usados como repetidores de sinal Wi-Fi (Foto: Thiago Rocha/TechTudo)

3. Repetidores de sinal Wi-Fi da Intelbras à venda no Brasil

Para quem não tem nenhum roteador para transformar em repetidor como no segundo destaque do mês, o jeito é comprar um aparelho novo. Nesse caso, quanto maior o custo-benefício, melhor. Para isso, o TechTudo reuniu os três modelos de repetidores da Intelbras disponíveis no mercado nacional para ampliar o alcance da Internet. Os aparelhos têm preços entre R$ 90 e R$ 120 e oferecem diferentes designs e especificações. Confira.

NPlug é um dos modelos de repetidores Wi-Fi vendidos no Brasil (Foto: Divulgação/Intelbras)NPlug é um dos modelos de repetidores Wi-Fi vendidos no Brasil (Foto: Divulgação/Intelbras)

NPlug é um dos modelos de repetidores Wi-Fi vendidos no Brasil (Foto: Divulgação/Intelbras)

4. Notebook Multilaser Legacy é bom?

A Multilaser costuma chamar a atenção pelos produtos com preços baixos. Em fevereiro, o destaque da fabricante foi a linha de notebooks Legacy. O TechTudo analisou a ficha técnica e o custo-benefício dos portáteis da marca, que estão entre os mais baratos no Brasil. Os modelos foram lançados em agosto de 2017, rodam com processadores Intel Atom e Celeron e têm armazenamento de 32 GB. Descubra se vale a pena.

Linha Legacy tem modelos de R$ 870 a R$ 1.400 (Foto: Divulgação/Multilaser)Linha Legacy tem modelos de R$ 870 a R$ 1.400 (Foto: Divulgação/Multilaser)

Linha Legacy tem modelos de R$ 870 a R$ 1.400 (Foto: Divulgação/Multilaser)

5. Notebook Samsung Essentials E35S é bom?

Outra curiosidade dos leitores no último mês foi quanto ao custo-benefício do Samsung Essentials E35S, notebook com especificações e preço intermediário no Brasil. O modelo custa cerca de R$ 1.800, roda com Intel Core i3 e tem armazenamento de até 1 TB. De acordo com a análise, é um modelo interessante para quem procura um computador portátil para o dia a dia e uso doméstico.

Samsung Essentials E35S oferece armazenamento de até 1 TB com Intel Core i3 (Foto: Divulgação/Samsung)Samsung Essentials E35S oferece armazenamento de até 1 TB com Intel Core i3 (Foto: Divulgação/Samsung)

Samsung Essentials E35S oferece armazenamento de até 1 TB com Intel Core i3 (Foto: Divulgação/Samsung)

6. 10 fatos sobre PCs com Windows que você precisa saber

A Avast divulgou em fevereiro um relatório que casou os dados anônimos de 155 milhões de usuários e descobriu segredos sobre computadores com Windows. Entre as curiosidades, o levantamento revelou que 4,6% das pessoas que utilizam o sistema operacional da Microsoft ainda o usam na versão Windows XP. Além disso, 86% adotam como armazenamento o disco rígido HD em vez do SSD.

A lista ainda traz o programa mais baixado, a idade média dos PCs com Windows, qual a versão do sistema que domina os computadores e qual a fabricante preferida dos usuários.

Levantamento da Avast mostra cenário dos computadores equipados com Windows (Foto: Isabela Giantomaso/TechTudo)Levantamento da Avast mostra cenário dos computadores equipados com Windows (Foto: Isabela Giantomaso/TechTudo)

Levantamento da Avast mostra cenário dos computadores equipados com Windows (Foto: Isabela Giantomaso/TechTudo)

7. O maior SSD do mundo, com 30 TB de memória

A Samsung, que já tinha o título de fabricante com o SSD mais robusto, anunciou e chamou a atenção em fevereiro com seu novo disco de armazenamento de 30,72 TB, agora o maior do mundo, com o dobro da capacidade do modelo anterior. Batizado de PM1643, o dispositivo é o primeiro a trazer pacote de 1 TB de memória flash NAND e consegue guardar cerca de 5.700 arquivos Full HD com 5 GB cada.

De acordo com a Samsung, a ideia é estimular a transição dos discos rígidos HDD para SSDs no mercado corporativo. Para isso, o PM1643 também terá versões de 7 TB, 3 TB, 1 TB, 960 GB e 800 GB.

Com 30 TB, PM1643 é o maior SSD do mundo  (Foto: Divulgação/Samsung)Com 30 TB, PM1643 é o maior SSD do mundo  (Foto: Divulgação/Samsung)

Com 30 TB, PM1643 é o maior SSD do mundo (Foto: Divulgação/Samsung)

8. Internet discada, acessórios antigos e Wi-Fi turbinado: destaques de janeiro

Os fatos nostálgicos e um novo sistema para melhorar a Internet que foram destaques em janeiro continuaram chamando a atenção no último mês e também ganharam um espaço entre as dez mais repercutidas de fevereiro. Com uma lista de coisas que todo mundo fazia quando a Internet era discada, os usuários relembraram as madrugadas no computador para pagar menos e os CDs de provedores de Internet. Além disso, todos mataram as saudades dos acessórios mais usados nos anos 90 e 2000, como os disquetes e as capas de proteção para o PC.

Outro destaque do começo do ano e que continuou em alta é o lançamento de um sistema da D-Link na CES 2018 que promete Wi-Fi mais rápido. Pensando no mesmo objetivo, a Intel também anunciou chips para o padrão 802.11ax, que promete Internet sem fio mais veloz e estável. Junto com eles, um novo protocolo de segurança, detalhes sobre o iMac Pro de R$ 38 mil e o notebook Avell com menor preço completaram a retrospectiva do primeiro mês do ano.

Modem utilizado na época da internet discada (Foto: Reprodução/ Wikipedia)Modem utilizado na época da internet discada (Foto: Reprodução/ Wikipedia)

Modem utilizado na época da internet discada (Foto: Reprodução/ Wikipedia)

9. ZenBook 3 Deluxe vs MacBook Pro: comparativo das fichas técnicas

Os notebooks top de linha da Asus e da Apple foram colocados lado a lado em fevereiro para ver quem se sai melhor nas especificações. Ambos ultraportáteis, os modelos custam mais de R$ 10 mil e têm bateria entre 10 e 12 horas de uso. No entanto, concorrem quando o assunto é design de um lado e resolução de tela e armazenamento do outro. Veja o comparativo e descubra qual se sai melhor.

Zenbook 3 Deluxe vs Macbook Pro: qual é o melhor notebook top de linha? (Foto: Arte/TechTudo)Zenbook 3 Deluxe vs Macbook Pro: qual é o melhor notebook top de linha? (Foto: Arte/TechTudo)

Zenbook 3 Deluxe vs Macbook Pro: qual é o melhor notebook top de linha? (Foto: Arte/TechTudo)

10. Dez curiosidades sobre a Internet Wi-Fi

Para fechar os destaques de fevereiro, uma lista com as curiosidades sobre o Wi-Fi fez sucesso ao revelar que a tecnologia mundialmente conhecida poderia se chamar, na verdade, DragonFly. Além disso, os fatos trouxeram à tona que os estudos de uma atriz ajudaram na criação do sistema e que até 2020 o número de dispositivos wireless em operação pelo mundo pode chegar a 50 bilhões. Leia aqui todos os fatos.

Fonte: techtudo

Visão geral do ExpressRoute

O Microsoft Azure ExpressRoute permite que você estenda suas redes locais até a nuvem da Microsoft por meio de uma conexão privada, facilitada por um provedor de conectividade. Com o ExpressRoute, você pode estabelecer conexões com os serviços de nuvem da Microsoft, como o Microsoft Azure, o Office 365 e o Dynamic 365.

A conectividade pode ocorrer de uma rede “qualquer para qualquer” (VPN IP), uma rede Ethernet ponto a ponto ou uma conexão cruzada virtual por meio de um provedor de conectividade em uma colocalização. As conexões do ExpressRoute não passam pela Internet pública. Isso permite que as conexões do ExpressRoute ofereçam mais confiabilidade, mais velocidade, latências menores e muito mais segurança do que as conexões típicas pela Internet. Para saber mais sobre como conectar sua rede à Microsoft usando ExpressRoute, veja Modelos de conectividade do ExpressRoute.

Principais benefícios

  • Conectividade de Camada 3 entre sua rede local e a Microsoft Cloud por meio de um provedor de conectividade. A conectividade pode ocorrer de uma rede “qualquer para qualquer” (IPVPN), de uma conexão Ethernet ponto a ponto ou por meio de uma conexão cruzada virtual via troca Ethernet.
  • Conectividade com os serviços de nuvem da Microsoft em todas as regiões da região geopolítica.
  • Conectividade global com os serviços da Microsoft em todas as regiões com o complemento premium do ExpressRoute.
  • Roteamento dinâmico entre sua rede e a Microsoft por meio de protocolos padrão da indústria (BGP).
  • Redundância interna em cada local de emparelhamento para proporcionar maior confiabilidade.
  • SLAdo tempo de atividade da conexão.
  • Suporte a QoS para Skype for Business.

Para saber mais, veja as perguntas frequentes sobre o ExpressRoute.

Recursos

Conectividade de Camada 3

A Microsoft usa o protocolo padrão do setor para roteamento dinâmico (BGP) a fim de trocar rotas entre sua rede local, suas instâncias no Azure e os endereços públicos da Microsoft. Estabelecemos várias sessões BGP com sua rede para perfis de tráfego diferentes. Encontre mais detalhes no artigo Circuito e domínios de roteamento do ExpressRoute .

Redundância

Cada circuito do ExpressRoute é formado por duas conexões com dois roteadores de borda do Microsoft Enterprise (MSEEs) do provedor de conectividade/borda de sua rede. A Microsoft exige uma conexão BGP dupla do provedor de conectividade/seu lado – uma para cada MSEE. Você pode optar por não implantar dispositivos redundantes/circuitos de Ethernet em seu lado. No entanto, os provedores de conectividade usam dispositivos redundantes para garantir que as conexões sejam entregues à Microsoft de forma redundante. É obrigatório ter uma configuração de conectividade de Camada 3 redundante para que nosso SLA seja válido.

Conectividade com serviços de nuvem da Microsoft

O ExpressRoute fornece conectividade de rede privada para os Serviços de Nuvem da Microsoft. Os serviços de plataforma e infraestrutura em execução no Azure geralmente se beneficiam ao abordar considerações de arquitetura e de desempenho de rede. Portanto, recomendamos que as empresas usem o ExpressRoute para Azure.

Ofertas de software como um serviço, como o Office 365 e o Dynamics 365, foram criadas para serem acessadas pela Internet de forma segura e confiável. Portanto, somente recomendamos o ExpressRoute para esses aplicativos em cenários específicos.

Importante

O uso do ExpressRoute para acessar o Azure é recomendado para todas as empresas. Para obter orientação sobre o uso do ExpressRoute a fim de acessar o Office 365, visite http://aka.ms/ExpressRouteOffice365.

As conexões do ExpressRoute permitem o acesso aos seguintes serviços:

  • Serviços do Microsoft Azure
  • Serviços do Microsoft Office 365
  • Microsoft Dynamics 365

Visite a página de Perguntas frequentes sobre o ExpressRoute para obter uma lista detalhada dos serviços com suporte por meio do ExpressRoute.

Conectividade com todas as regiões em uma região geopolítica

Você pode se conectar à Microsoft em um dos nossos locais de emparelhamento e ter acesso a todas as regiões dentro da região geopolítica.

Por exemplo, se você conectou a Microsoft em Amsterdã por meio do ExpressRoute, terá acesso a todos os serviços de nuvem da Microsoft hospedados no Norte da Europa e na Europa Ocidental. Veja o artigo Parceiros e locais de emparelhamento do ExpressRoute para obter uma visão geral das regiões geopolíticas, regiões associadas da nuvem da Microsoft e locais de emparelhamento correspondentes do ExpressRoute.

Conectividade global com o complemento premium do ExpressRoute

Você pode habilitar o complemento do ExpressRoute premium a fim de estender a conectividade pelas fronteiras geopolíticas. Por exemplo, se você estiver conectado à Microsoft em Amsterdã por meio do ExpressRoute, terá acesso a todos os serviços de nuvem da Microsoft hospedados em todas as regiões do mundo (nuvens nacionais são excluídas). Você pode acessar serviços implantados na América do Sul ou na Austrália da mesma maneira que acessa as regiões do Norte da Europa e da Europa Ocidental.

Ecossistema abundante de parceiros de conectividade

O ExpressRoute tem um ecossistema de provedores de conectividade e parceiros de SI em constante crescimento. Consulte o artigo Provedores e locais do ExpressRoute para obter as informações mais recentes.

Conectividade com nuvens nacionais

A Microsoft opera ambientes de nuvem isolados para regiões geopolíticas e segmentos de clientes especiais. Consulte a página Provedores e locais de ExpressRoute para obter uma lista de nuvens e provedores nacionais.

Opções de largura de banda

É possível comprar circuitos do ExpressRoute para várias larguras de banda. As larguras de banda com suporte estão listadas abaixo. Não deixe de entrar em contato com seu provedor de conectividade para verificar a lista de larguras de banda com suporte oferecidas.

  • 50 Mbps
  • 100 Mbps
  • 200 Mbps
  • 500 Mbps
  • 1 Gbps
  • 2 Gbps
  • 5 Gbps
  • 10 Gbps

Dimensionamento dinâmico de largura de banda

Você pode aumentar a largura de banda do circuito do ExpressRoute (em uma base de melhor esforço) sem precisar subdividir suas conexões.

Modelos flexíveis de cobrança

Escolha o modelo de cobrança que funcione melhor para você. Escolha um dos modelos de cobrança listados abaixo. Para saber mais, veja as perguntas frequentes sobre o ExpressRoute.

  • Dados ilimitados. O circuito do ExpressRoute é cobrado com base em uma taxa mensal, e todas as transferências de dados de entrada e de saída são incluídas gratuitamente.
  • Dados limitados. O circuito do ExpressRoute será cobrado com base em uma taxa mensal. Todas as transferências de dados de entrada são gratuitas. A cobrança pelas transferências de dados de saída ocorrem de acordo com a quantidade de GB da transferência de dados. As taxas de transferência de dados variam de acordo com a região.
  • Complemento ExpressRoute premium. O ExpressRoute premium é um complemento para o circuito do ExpressRoute. O complemento premium do ExpressRoute fornece os seguintes recursos:
    • Aumento dos limites de rota para emparelhamento público e privado do Azure de 4.000 para 10.000 rotas.
    • Conectividade global para serviços. Um circuito do ExpressRoute criado em qualquer região (excluindo nuvens nacionais) terá acesso a recursos em qualquer região do mundo. Por exemplo, uma rede virtual criada na Europa Ocidental pode ser acessada por meio de um circuito do ExpressRoute provisionado no Vale do Silício.
    • Aumento do número de links de Rede Virtual por circuito do ExpressRoute de 10 para um limite maior, dependendo da largura de banda do circuito.
Microsoft dará PC a professor ganês que ensina computação no quadro negro

Uma foto que viralizou nas redes sociais nos últimos dias mostra um professor ensinando o Microsof Word a seus alunos. O método usado por ele, porém, é que chamou a atenção: a tela do editor de textos foi reproduzida de maneira fiel e precisa em um quadro negro, desenhada com giz.

O professor em questão é o ganês Richard Akoto, responsável por dar aulas de novas tecnologias de informação e comunicação (NTIC). “Ensinar NTIC na escola em Gana é bem divertido”, comentou. “Eu tenho feito isso o tempo todo em que estou na sala de aula. Eu amo os meus alunos, então tenho que fazer algo que os faça entender o que estou ensinando”, complementou.

O problema é que a escola na qual Akoto leciona está sem computadores desde 2011, o que obriga o professor a ter que usar a criatividade para não deixar os seus alunos completamente desamparados — temas relacionados às NTIC são parte obrigatória do currículo escolar.

Richard AkotoRichard Akoto desenha a interface do Word no quadro negro para ensinar os seus alunos.

Ajuda

A empresária Rebecca Enonchong teve contato com a foto de Akoto desenhando no quadro negro para ensinar os seus alunos e resolveu tweetar para a Microsoft África no último dia 25 propondo que a companhia ajudasse o professor.

No dia 27, a seção africana da companhia respondeu à empresária afirmando que auxiliará a escola na qual Akoto trabalha fornecendo um computador e também acesso ao programa de certificação de educadores da empresa, o Microsoft Certified Educator (MCE).

“Apoiar professores para permitir uma transformação digital na educação está no centro daquilo que fazemos”, escreveu a companha. “Nós equiparemos a Owura Kwadwo com um dispositivo de um de nossos parceiros, acesso ao nosso programa MCE e recursos gratuitos para o desenvolvimento profissional no education.microsoft.com.”

 

Fonte: TecMundo

Microsoft e Xiaomi fazem parceria para trabalhar juntas com IA, cloud e hardware

A Microsoft e a Xiaomi anunciaram na semana passada uma nova parceria que poderá beneficiar os clientes de ambas as companhias. As marcas assinaram na última sexta-feira (23) um memorando de entendimento para colaborações nas áreas de hardware, computação na nuvem e inteligência artificial, o que poderá aprimorar seus serviços a longo prazo e oferecer novos produtos para os consumidores.

De início, por exemplo, a parceria garante que a Xiaomi usará a plataforma Azure para armazenamento de dados e execução de serviços remotos. Por outro lado, a Microsoft ajudará os chineses a divulgarem seus laptops e dispositivos móveis equipados com o sistema Windows 10. A ideia é que, no futuro, as companhias possam trabalhar juntas para aprimorar a assistente pessoal Cortana, que equipará speakers inteligentes à la Google Home e Apple HomePod.

“A Xiaomi é uma das empresas mais inovadoras da China e está se tornando cada vez mais popular em vários mercados ao redor do mundo. Os esforços únicos e experiências da Microsoft em inteligência artificial, tal como produtos nossos como o Azure, permitirão que a Xiaomi desenvolva mais tecnologias de ponta para o mundo inteiro”, afirmou Harry Shum, especialista em IA e pesquisador na gigante de Redmond.

Satya Nadella observa produtos da Xiaomi com Windows 10 (Foto: Wang Xiang)
Satya Nadella observa produtos da Xiaomi com Windows 10 (Foto: Wang Xiang)

Foto: Canaltech

Wang Xiang, vice-presidente global sênior da Xiaomi, também se mostrou contente com a parceria. “A nossa missão é entregar tecnologias inovadoras para todos ao redor do globo. Ao colaborar com a Microsoft em múltiplas áreas tecnológicas, a Xiaomi vai acelerar seu ritmo para trazer mais produtos e serviços empolgantes ao nosso público”, comentou o executivo.

Troca de favores

Esta não é a primeira vez que a Xiaomi firma uma parceria com a Microsoft. Em 2016, as duas companhias também fizeram um acordo para que aplicativos da família Office viessem pré-instalados em smartphones da série Mi.

Essas colaborações são vantajosas para ambas as marcas; de um lado, a fabricante chinesa ganha a oportunidade de expandir sua atuação nas Américas, mercado que ainda não conseguiu se estabelecer; do outro, a Microsoft pode utilizar a expertise da Xiaomi no segmento de dispositivos móveis, setor que, desde o fim da linha Lumia, ainda é um campo perigoso para a criadora do Windows.

 Fonte: terra.com.br
Microsoft deixará você ver dados de diagnóstico coletados pelo Windows 10

Microsoft está a todo momento coletando dados sobre o seu computador e fazendo diagnósticos a respeito de desempenho, consumo de memória e até o que você está rodando no seu Windows 10. Em breve, você também terá direito a conferir essas informações — pois é, antes isso não era possível.

Segundo o site ZDNet, duas novas opções foram identificadas nas builds 17063 (dezembro de 2017) e 17074 (janeiro de 2018), lançadas até o momento apenas para quem faz parte do programa Windows Insider. Trata-se dos itens “Visualizador de dados de diagnóstico” e a opção “Apagar dados de diagnóstico”.

Uma captura de tela.

Ao que tudo indica, será possível para o usuário conferir os dados coletados pela Microsoft durante esses testes que mostram a “saúde” do PC. Como elas ainda não estão operando nas builds de teste, não é possível ver em que formato as informações serão disponibilizadas nem qual o nível de conhecimento necessário para compreender tudo o que estará escrito. As opções ficarão em Configurações > Privacidade > Comentários e diagnóstico.

A Microsoft foi acusada em 2015 de “espionar” consumidores com as capacidades internas de diagnóstico e, até o momento, não havia tomado medidas para aumentar a transparência. Em 2017, agências europeias acusaram a empresa de coletar dados excessivos e rastrear a navegação dos clientes sem o consentimento deles. Não se sabe se a adição é fruto dessas críticas e a companhia ainda não comentou o assunto.

Fonte: TECMUNDO

Introdução ao aplicativo de Proteção de Informações do Microsoft Azure para iOS e Android

Aplica-se a: Active Directory Rights Management Services, Proteção de Informações do Azure

Antes de usar as instruções nesta página, certifique-se de ter lido Perguntas frequentes sobre o aplicativo de Proteção de Informações do Azure para iOS e Android. Esta página explica o uso do aplicativo, quais dispositivos têm suporte e informações básicas sobre como usar o aplicativo.

A maioria dos usuários geralmente usará o aplicativo de Proteção de Informações do Azure quando for preciso abrir um arquivo ou email protegido. Mas se você for um administrador que deseja testar o aplicativo para seus usuários ou simplesmente quer experimentar o aplicativo antes que precise dele, poderá usar as instruções a seguir.

Para usar as instruções a seguir, você precisa acessar de seu dispositivo móvel para um dos arquivos ao qual o aplicativo dá suporte. Por exemplo:
  • Um arquivo .rpmsg: esta é uma mensagem de email protegido por direitos que é exibida como uma mensagem de email quando o aplicativo de email no dispositivo móvel não der suporte nativo à proteção de dados de gerenciamento de direitos.Use outro dispositivo para enviar uma mensagem de email protegida por direitos que você pode acessar de seu dispositivo móvel. Por exemplo, use o Outlook em um computador Windows. Para obter uma lista de clientes de email que dão suporte nativo a gerenciamento de direitos, consulte a coluna EMAIL na página Aplicativos que dão suporte à proteção de dados do Azure Rights Management.
  • Um arquivo PDF protegido por direitos: em um computador Windows, use o cliente de Proteção de Informações do Azure para proteger um arquivo PDF e enviar esse arquivo PDF protegido por direitos como um anexo de email. Como alternativa, carregue um arquivo PDF em uma biblioteca protegida do SharePoint e compartilhe-o usando seu endereço de email.
  • Um .ptxt, .pjpg ou .ppng: em um computador Windows, use o cliente de Proteção de Informações do Azure para proteger um arquivo de texto ou imagem e enviar esse arquivo protegido como um anexo de email. Para obter a lista completa de tipos de arquivo que você pode usar para teste, consulte a primeira tabela na seção Tipos de arquivo com suporte para classificação e proteção do guia de administração do cliente de proteção de informações do Azure.

Para exibir esses arquivos no aplicativo de visualizador de Proteção de Informações do Azure, toque no link ou no anexo de email.Quando você é solicitado a selecionar um aplicativo para poder abri-lo, selecione o aplicativo Visualizador de AIP. Você será então ser solicitado a entrar com sua conta de trabalho ou escolar ou solicitado a selecionar um certificado. Depois que essas credenciais estiverem autenticadas, o aplicativo de proteção de informações do Azure exibe o email ou o arquivo para leitura.

Próximas etapas

Para fazer perguntas ou comentários sobre este aplicativo que não são abordados nas Perguntas frequentes, visite nosso site do Yammer.

Se o aplicativo não está funcionando conforme descrito, consulte os recursos listados em nossa página Regras da casa.

Fonte: Microsoft

A Microsoft se reinventa e “vira a chave” para a nuvem

“Passamos de uma empresa de softwares empacotados a uma plataforma de serviços na nuvem”, disse o presidente da empresa

São Paulo, 24 (AE) – “Nossa indústria não respeita a tradição, ela só respeita a inovação”, escreveu o indiano Satya Nadella, em seu primeiro e-mail aos funcionários da Microsoft, poucas horas após ser anunciado como presidente executivo da empresa, em fevereiro de 2014.

Naquele momento, um dos mais dramáticos da história da companhia, o executivo tentava motivar a equipe a transformar uma perdedora nos smartphones em uma potência em computação em nuvem. Hoje, quase quatro anos depois, a visão de Nadella está perto de se concretizar.

Queridinho de Bill Gates, Nadella foi o escolhido para conduzir a Microsoft para a nuvem. O executivo comandava a divisão de serviços de nuvem para empresas, que gerava US$ 4,4 bilhões anuais em receita. Pouco depois de assumir a liderança, ele divulgou uma meta ambiciosa: queria alcançar uma receita de US$ 20 bilhões anuais com serviços na nuvem até o fim de 2018.

O resultado chegou, mas não na data esperada. “Conseguimos bater a meta um ano antes do previsto”, conta a presidente da Microsoft Brasil, Paula Bellizia, em entrevista exclusiva ao jornal “O Estado de S. Paulo”. “Passamos de uma empresa de softwares empacotados a uma plataforma de serviços na nuvem.”

Os números mostram que a Microsoft vai bem. Só no último trimestre, a receita com o Office 365 – pacote de aplicativos que inclui o Word e o Excel e é vendido a empresas por meio de assinatura – cresceu 42%.

O software para empresas, chamado de Dynamics, registrou alta de 69% no faturamento em relação a igual período do ano anterior. A plataforma Azure, que está no centro da estratégia de nuvem da companhia, também cresceu 90% em receita. O conjunto ajudou a gigante do software a aumentar sua receita total em 12%, alcançando US$ 24,5 bilhões no 1º trimestre do ano fiscal de 2018.

“A estratégia da Microsoft está na direção correta e Nadella é um executivo de visão”, afirma Fernando Meirelles, professor da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP). “Antes, a Microsoft tinha receita quase zero com serviços.”

Pedras

O caminho da Microsoft seria fácil, não fosse a quantidade de gigantes de olho no lucrativo mercado de computação em nuvem. De acordo com a consultoria IDC, esse segmento deve alcançar uma receita de US$ 554 bilhões em 2021. O valor representa mais que o dobro do valor registrado em 2016.

“No Brasil, o mercado de computação em nuvem vem crescendo a uma taxa de 20% ao ano”, diz o gerente de consultoria e pesquisa de infraestrutura e telecom da IDC Brasil, Pietro Delai. “No segmento de infraestrutura como serviço, que libera as empresas de investirem de forma antecipada, o aumento chega a 40%.”

As rivais da Microsoft têm peso: forte em infraestrutura, a Amazon Web Services (AWS) – divisão de computação em nuvem da gigante do e-commerce de mesmo nome – é líder global no segmento. Há ainda a veterana IBM e o gigante das buscas Google. Cada empresa tem uma estratégia diferente, mas todas elas tentam garantir uma fatia do promissor mercado.

“Só neste início de ano, tivemos anúncios da instalação de cinco data centers no Brasil, o que é um indicativo do ritmo de adoção da nuvem”, diz Delai.Para se diferenciar dos rivais, Nadella resolveu apostar na próxima fronteira da tecnologia. “Queremos ser a empresa que vai democratizar a inteligência artificial”, diz Paula.

“Mas a Microsoft não vai fazer tudo sozinha: temos um ecossistema de 140 mil desenvolvedores certificados para criar sistemas com nossas tecnologias.”Para Meirelles, o grande feito de Nadella é estar de olho na evolução da computação em nuvem, a chamada computação de borda (edge computing, em inglês).

Segundo especialistas, ela vai “dissolver” a nuvem tradicional e processar as informações de forma distribuída, mais perto dos dispositivos onde os dados são gerados. “A Amazon tem uma estratégia melhor para nuvem tradicional”, diz o professor da FGV-SP. Sistema na nuvem x local: Entenda com a SONDA os prós e contras Patrocinado

“Mas, a partir de agora, quem tiver a melhor inteligência artificial é que vai ganhar a batalha.”Nos últimos meses, Microsoft e as rivais correm contra o tempo para aprimorar a tecnologia. Mas, assim como num dia nublado, ainda é difícil enxergar quem sairá vitorioso.